Já saber viralizar no Facebook?

Já saber viralizar no Facebook?
Seja Magnético




O que é espondilolistese

É um deslizamento de um corpo vertebral no sentido anterior, posterior ou lateral em relação à vértebra de baixo. Este escorregamento para frente de uma vértebra em relação a outra subjacente, ocasiona dor ou sintomatologia de irritação de raiz nervosa.

Classificação da espondilolistese

A mais aceita é a classificação de Wiltse e Bradford que tem como diferencial a etiologia do escorregamento vertebral. As listeses são divididas em 5 grupos da seguinte forma – Displásica – Anomalia da porção superior do sacro ou do arco de L5, Ístmica – Lesão do istmo vertebral por fratura de fadiga, Degenerativa – Secundária a processo degenerativo do disco ou articulação intervertebral posterior, Traumática – Fratura aguda do arco posterior da vértebra, Patológica – Enfermidade óssea que acomete o arco posterior (tumor ósseo, etc).



Estes deslizamentos vertebrais foram classificados por Meyerding conforme sua intensidade. Grau I de zero a 25%, Grau II de 25% a 50%, Grau III de 50% a 75% e Grau IV de 75% a 100%. O Grau V seria a pitose vertebral.

Sintomas da espondilolistese 


Dor Lombar
Dor irradiada (dor Ciática)
Dor nas pernas ao caminhar
Formigamento
Encurtamento dos músculos posteriores das pernas
Perda de força e coordenação dos movimentos
Incapacidade de andar

Causas da Espondilolistese

A espondilolistese degenerativa ocorre em adultos e idosos, pois é provocada pelo desgaste das articulações facetárias, como parte do quadro de degeneração da coluna.


A espondilolistese ístmica ocorre por um defeito das articulações facetárias, que pode ser de natureza congênita ou devido a lesões ocorridas na infância. Como pode ser por uma má-formação congênita, a espondilolistese ístmica é comum na infância e adolescência.

Diagnóstico e exame
Raio-x
Ressonância Magnética

Tratamento da espondilolistese

RMA da Coluna Vertebral


Veja a reportagem sobre o nosso tratamento no Jornal Hoje da Rede Globo:




Conservadores
Medicações (Antiinflamatórios, relaxantes musculares, analgésicos, etc)
Fisioterapias
Acupuntura
Reabilitação Muscular

Cirúrgico
(Na falha dos tratamentos conservadores ou alterações neurológicas)
Fusão (Artrodese)
Fixação Dinâmica


Fonte: herniadedisco.com.br acessado em 28.02.2014
 
Top