Já saber viralizar no Facebook?

Já saber viralizar no Facebook?
Seja Magnético


Várias são as definições da Ergonomia. Alguns autores a classificam como Ciência, outros como Tecnologia. Alguns destacam os aspectos sistemáticos e comunicacionais, enquanto outros focalizam a questão da adaptação da máquina ao homem.
Cabe, portanto, exemplificar estas diferentes concepções.

1 - IV Congresso Internacional de Ergonomia, 1969.

"A Ergonomia é o estudo científico da relação entre o homem e seus meios, métodos e espaço de trabalho. Seu objetivo é elaborar, mediante a contribuição de diversas disciplinas científicas que a compõem, um corpo de conhecimentos que, dentro de uma perspectiva de aplicação, deve resultar numa melhor adaptação ao homem dos meios tecnológicos e dos ambientes de trabalho e de vida."


2 - FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1986. 2a. ed. rev.
"Conjunto de estudos que visam à organização metódica do trabalho em função do fim proposto e das relações entre o homem e a máquina."

3 - BURGER, G.C.; JONG, J.R. Aspects of ergonomics jobs analysis. Ergonomics 5 (1962) 1:185-201.
"Aplicação de conhecimentos biológicos no campo da anatomia, fisiologia, psicologia experimental e medicina preventiva, com o propósito de alcançar uma otimização do sistema homem-máquina, no qual um balanceamento apropriado é mantido entre a carga externa de trabalho e capacidade de trabalho considerando o uso possível que é feito das capacidades e energia dos trabalhadores, no interesse de sua própria saúde (e dignidade) e no interesse da produtividade."

4 - CAZAMIAN, Pierre (1974). In: SPERANDIO, Jean Claude. La psychologie en ergonomie. Paris, PUF, 1980.
"Estudo multidisciplinar do trabalho humano que tenta descobrir as leis para melhor formular as regras. A Ergonomia é, portanto, conhecimento e ação; o conhecimento é científico e se esforça por superar os modelos e explicativos gerais; a ação visa melhor adaptar o trabalho aos trabalhadores de modo a lhes proporcionar bem-estar e satisifação; ela pode, ou não, ter como efeito secundário um aumento do rendimento."

5 - CAZAMIAN, Pierre. Leçona d'ergonomie industrielle: une approche global. Paris, Editiona Cujas, 1974.
" A ergonomia é o estudo científico do trabalho humano alienada, porque só este coloca problemas específicos para o ergonomista resolver. O trabalho como livre expressão de uma personalidade criadora, é uma atividade tão velha e espontaneamente gratificante quanto a dança e as artes plásticas. A alienação começa quando a obra de uma pessoa passa a ser dividida entre várias outras pessoas, onde uma das quais assume o papel de comandar as outras. Como hierarquização suprime a comunicação, o chefe não conhece nunca as necessidades daqueles que dirige. A alienação se completa quando a direção adota objetivos contrários aos da execução, como por exemplo, os econômicos.
A alienação é, no primeiro caso, uma questão de ignorância (alienação primária); no segundo, de cálculo (alienação secundária).
(...) A Ergonomia tem ou sobretudo pode ter, uma dupla função. Ela é, primeiramente, e sempre, um conhecimento, uma descrição explicativa, dos componentes humanos de um sistema coletivo de produção - um diagnóstico.
Mas, num segundo momento, é natural que ao diagnóstico siga-se um tratamento.
Neste ponto, faz-se necessário distinguir entre os dois tipos de alienação. O conhecimento é, em si mesmo, atuante e reformador. Assim, nos casos de alienação primária, uma melhor compreensão entre os participantes é suficiente para reduzir a inadaptação -esta é a "ergonomia da comunicação". (...) Mas, quando a alienação é de tipo secundário, quando se deve aos objetivos da direcão na busca do aumento da produção e do lucro, a análise ergonómica fica desprovida de sanções práticas, enquanto permanecer o atual estado de normas da nossa sociedade."

6 - CHAPANIS, Alphonse. A Engenharia e o Relacionamento Homem-Máquina. São Paulo, Atlas, 1972.
"A engenharia especializada em fatores humanos, ou engenharia humana, preocupa-se com as maneiras de idealizar máquinas, operações e ambientes de trabalho, de modo que todos os elementos se aliem, se combinem, com as limitações da natureza humana."

7 - GRANDJEAN, Etienne. Fitting the task to the man. London, Taylor l Francia, 1980.
"Ergonomia é o estudo do comportamento do homem em relação ao seu trabalho. O objeto desta pesquisa é o homem no trabalho em relação com o seu ambiente especial. A pesquisa ergonômica é usada na adaptação das condições de trabalho à natureza física e psicológica do homem, e isto resulta no mais importante princípio de ergonomia - adaptar a tarefa ao homem."

8 - LAVILLE. Antoine. Ergonomia. São Paulo, EPU/EDUSP, 1977.
"Conjunto de conhecimentos a respeito do desempenho do homem em atividade, a fim de aplicá-los à concepção de tarefas, dos instrumentos, das máquinas e dos sistemas de produção. A ergonomia nasceu de necessidades práticas; ligado à prática, já que, sem aplicação, perde a razão de ser, ela se apoia em dados sistemáticos, utilizando métodos científicos."
LAVILLE, Antoine. L'ergonomie. Paris, Presses Universitaires de France, 1986, 3e. éd. cor.
"A Ergonomia é uma disciplina científica: seu objeto de pesquisa é o funcionamento do homem em atividade profissional; ela tem um lugar especifico em relação a fisiologia e a psicologia por duas razões principais: por um lado ela estuda o funcionamento do homem dentro das condições constrangedoras dos meios de trabalho, de duração, de ambiente e de objetivos a respeitar (o sistema de produção cria situações não habituais: trabalhar oito horas por dia, num mesmo ritmo, imposto por uma máquina, uma esteira, trabalhar a noite, ou em equipes alternantes, o que se opõe aos ritmos biológicos); por outro lado a atividade profissional é sempre uma atividade complexa que não pode ser reduzida tão somente a adição de atividades físicas, sensoriais e mentais; ora, a fisiologia e s. psicologia são duas ciências distintas, que se fundamentam principalmente sobre os resultados de experimentos de laboratório, portanto artificiais, elas não podem apreender o funcionamento global do homem em situação de trabalho. A ergonomia desenvolve pesquisas específicas e criou um conjunto de métodos, uns que tomou por empréstimo a outras disciplinas, outros que lhe são próprios.
A ergonomia é uma disciplina técnica porque ela tem como objeto buscar conhecimentos e os organizar para aplicá-los à concepção de meios de trabalho a partir de critérios de saúde, de desenvolvimento das capacidades dos trabalhadores e de produção. Esta aplicação exige arte, como a arte do engenheiro ou do médico, porque trata-se de empregar um conjunto de conhecimentos técnicos e práticos a situações particulares. Se a ergonomia desenvolve conhecimentos específico, ela no entanto lança mão de conhecimentos de outras disciplinas científicas.
A psicologia e a fisiologia são as duas principais ciências sobre as quais ela se fundamenta e sobre as quais ela continua particularmente a se construir. Mas o funcionamento do homem no trabalho é de uma grande complexidade e a ergonomia ampliou progressivamente o campo de suas bases científicas: deste modo ela apela para os conhecimentos de setores diferentes como a antropologia e a sociologia para estabelecer suas regras de aplicação. Há, por outro lado, um risco importante: por falta de limite, esta disciplina será levada a desaparecer. No entanto, se a ergonomia mantém seu objetivo principal, ou seja a concepção de situações e de utensílios de trabalho, de acordo com o funcionamento do homem, ela é então facilmente identificável."

9 - LEPLAT, Jacques. La psychologie ergonomique. Paris, Pressea Universitaires de France, 1980.
"Para certos especialistas (por exemplo, Edholm), a ergonomia é a ciência do trabalho, ou o conjunto das ciências do trabalho (fisiologia, psicologia, sociologia do trabalho). Para outros, entre os quais nos colocamos (...) a ergonomia é uma tecnologia cujo objeto é o arranjo dos sistemas homens-máquina, ou mais amplamente das condições de trabalho, em função de critérios dos quais os mais importantes caracterizam o bem-estar dos trabalhadores (saúde, segurança, satisfação, conforto, etc). Dentro da primeira concepção, faz sentido falar de ergonomia aplicada, mas não no segundo caso, onde a ergonomia é por natureza aplicada."

10 - McCORMICK, Ernest J. Ergonomia. Barcelona, Gustavo Gili, 1980.
"Colocaremos a definição de fatores humanos em três etapas:
- o foco central dos fatores humanos refere-se a consideração dos seres humanos no projeto dos objetos produzidos pelo homem, dos meios de trabalho e dos entornos produzidos pelo mesmo homem que são 
"usados" nas diferentes atividades vitais;
- os objetivos dos fatores humanos no projeto destes objetos, meios de trabalho e entornos produzidos pelo homem tem duas etapas que são: 1) aumentar a eficácia funcional para que as pessoas possam utilizá-los; 2) manter ou acrescentar certos valores humanos desejados no processo (por exemplo, saúde, segurança e satisfação). Este segundo objetivo é essencialmente um dos que procuram o bem-estar humano.
- o enfoque central dos fatores humanos consiste na aplicação sistemática de informações referentes as características humanas e ao 'seu comportamento, no que se refere ao projeto de objetos feitos pelo homem, aos meios de trabalho e aos entornos que as pessoas utilizam. Em resumo, pode-se considerar o processo de projeto para uso humano co»o a parte «ais importante dos fatores humanos. Além da ênfase em projetar as 'coisas" que usam, a disciplina favores humanos também abarca certas funções relacionadas (quando se referem ao material ou serviço em questão), tais como métodos operacionais e procedimentos; comprovação e avaliação destes artigos no que se refere aos seus aspectos de fatores humanos, criação de ajudas para o trabalho e materiais de treinamento; e a seleção e o treinamento do pessoal implicado no uso de tais artigos. Mais ainda, em geral considera-se que a disciplina fatores humanos abarca a investigação de apoio que define itens para o projeto e para os processos que se relacionam com ele."

11 - MEISTER, David e RABIDEAU, Gerald. Human factors evaluation in system development. New York, John Wiley, 1965.
"São variáveis envolvidas pelas: (1) características (capacidades e limitações) do homem; (2) características (aspectos do projeto) de máquinas individuais ou sistemas de máquinas; (3) relações entre ambas. A prática da Ergonomia é a aplicação destas variáveis ao projeto e avaliação do sistema homem-máquina. Esta prática pode envolver qualquer um ou todos dentre os itens que se seguem:
a) análise funcional dos requisitos do sistema;
b) o desenvolvimento de critérios de seleção e  treinamento de pessoal;
c) o projeto e avaliação de controles operados manualmente e dos equipamentos de proteção individual da equipe;
d) o estudo de fatores ambientais que afetam o desempenho humano;
e) participação em testes de desempenho de sistemas;
f) supervisão de qualidade de produção e pesquisa aplicada.
O propósito de aplicar estas variáveis é melhorar a performance do homem na operação e manutenção das máquinas, de modo que os resultados da operação do sistema satisfaçam os requisitos de desempenho espec i f i cados."

12 - MONTMOLLIN, Maurice de. Introducciòn a Ia Ergonomia. Madrid, Juhn Wiley, 1965.
"Tecnologia das comunicações nos sistemas homens-máquinas".

13 - MONTMOLLIN, Maurice de. L'ergonomie. Paris, Editions La Découverte, 1986.
"Ergonomia vem do grego ergon (trabalho) e nomos (lei, regras). A definição desta disciplina poderia ser simplesmente ciência do trabalho. Uma ciência que não consideraria as fronteiras convencionais impostas pelas práticas das direções da empresa, que o discurso dos especialistas repete. O engenheiro que concebe as máquinas, o organizador que reparte as funções, o gerente de métodos que fixa os tempos e movimentos, o médico do trabalho preocupado com a higiene, o responsável pela segurança que só pensa em acidentes e os controladores da qualidade obcecados pela fiabilidade humana, o diretor de pessoal que recruta e negocia as remunerações, o pedagogo encarregado de ensinar as técnicas, o sindicalista que se bate contra irregularidades... Todos se ocupa» do trabalho e dos trabalhadores, mas seus enfoques são parciais, e talvez contraditórios: a segurança pode se opor a produtividade, uma organização muito restritiva pode frear as iniciativas, e as qualificações contradizem as competências... Uma ciência do trabalho digna deste nome deveria ultrapassar essas contradições.
Nesta perspectiva hegemónica, a ergonomia deveria superar as oposições académicas entre as diferentes disciplinas científicas que hoje fazem do trabalho e do trabalhador seu objeto de estudo: anatomia, fisiologia, toxicologia, psicologia, psicossociologia, linguística, sociologia, etologia, economia, gestão... A unidade do seu objeto - o trabalhador está inteiro no seu trabalho, não em pedaços - permitiria a ergonomia se constituir em ciência unitária, superar e sintetizar enfoques muito parciais para serem verdadeiramente eficazes. Trata-se de um sonho, e mesmo de um delírio paranóico. A unidade da ergonomia não se constrói pelas anexações. O princípio de sua coerência - através de suas mutações e de suas contradições - deve-se menos ao seu objeto, o trabalho humano, e mais a sua vontade de estudar eate objeto cientificamente. Ou seja, não se propor nada que se baseie sobre as opiniões pessoais, as tradições ou as ideologias. Atitude inabitual no mundo do trabalho, principalmente como podem testemunhar os sociólogos e os economistas. Buscar ser científico em ergonomia não é buscar constituir-se numa impossível ciência homogénea; objetivo inacessível, porque o trabalho e os trabalhadores são a imagem da sociedade e do homem: muito mais complexos e diversos para gerar um enfoque unitário harmonioso. No entanto esta não é uma razão para renunciar ao emprego de modelos, talvez de teorias, e de métodos (sobretudo de métodos) coerentes, estruturados, verificáveis e refutáveis; em uma palavra: racionais."

14 - MURREL, K.F.H. Ergonómica. London, Chapman s. Hall, 1965.
"Estudo científico da relação entre o homem e seu ambiente de trabalho. Neste sentido o termo ambiente não se refere apenas ao entorno ambiental, no qual o homem trabalha, mas também às suas ferramentas, seus métodos de trabalho e à organização deste, considerando-se este homem, tanto como um indivíduo quanto como participante de um grupo de trabalho. Finalmente, tudo isto se relaciona com a natureza do próprio homem, com suas habilidades, capacidades e limitações. Na periferia da Ergonomia, sem no entanto até o presente momento, fazer parte do seu campo, estão as relações do homem com seus companheiros de trabalho, seus supervisores, gerente e sua família. Estes pontos são usualmente considerados como parte das ciências sociais, mas eles não devem ser ignorados, já que podem desempenhar um importante papel na solução de alguns problemas de Ergonomia."

15 - OBORNE, David J. Ergonomics at work. New York, John Wiley L Sons, 1982.
"(...) ela atravessa as fronteiras entre muitas disciplinas científicas e profissionais e se baseia em dados, achados, e princípios de cada uma delas. Atualmente a ergonomia é um amálgama de fisiologia, anatomia e medicina por um lado; psicofisiologia, psicologia experimental, por outro lado; física, engenharia, como um terceiro aspecto. As ciências biológicas fornecem informações sobre a estrutura do corpo: as capacidades e limitações físicas do operador; as dimensões do seu corpo; o peso que ele pode levantar; as pressões físicas que ele pode suportar. A psicofisiologia lida com o funcionamento do cérebro e com o sistema nervoso como determinantes do comportamento; enquanto os psicólogos experimentais tentam entender as maneiras básicas pelas quais os indivíduos agem, percebem, aprendem, lembram, controlam seu processo motor, etc. Finalmente, físicos e engenheiros fornecem informações similares a respeito das máquinas e do ambiente ao qual o operador se opõe.
A partir dessas áreas um ergonomista toma e integra dados para maximizar a segurança do operador, eficiência e confiabilidade do desempenho, para fazer sua tarefa mais fácil de aprender e para aumentar suas sensações de conforto.
Esses critérios não são de forma alguma independentes. Por exemplo, a eficiência do operador é altamente dependente de sua precisão, mas a precisão não é o ünico componente da eficiência - incluem-se confiabllidade, velocidade e a redução do esforço e da fadiga. Do mesmo modo, a ergonomia visa aumentar a segurança. Em troca isto deveria resultar numa redução do tempo perdido em função de doenças e (talvez) um aumento correspondente na eficiência (trabalhador). Da mesma maneira, contudo, a segurança dependerá da eficiência. (...) Um outro objetivo da ergonomia é tentar reduzir a imprevisibilidade do desempenho do operador, em outras palavras, aumentar sua confiabilidade. Assim o operador humano deve não somente ser rápido e eficiente, mas também confiavel. De novo, embora a confiabllidade se relacione com a precisão, elas também são independentes. Um operador deve desempenhar sua tarefa com precisão na maior parte do tempo mas por causa de alguma ação intermitente da situação de trabalho pode diminuir a confiabllidade na sua precisão.
(...) Assim, ub sistema que foi projetado para produzir uma série de tarefas que são mais fáceis de aprender reduzirá os custos e tempo de treinamento e deve produzir menos erro sob stress. O aspecto final, conforto, é um critério subjetivo que se torna cada vez mais importante nas situações atuais e se refere a uma sensação de bem-estar e facilidade induzida pelo sistema. (...)
Em resumo, conseqüentemente a tarefa do ergonomlsta é primeiramente determinar as capacidades do operador, e então tentar construir um sistema de trabalho em torno dessas capacidades. Em relação a isto a ergonomia é frequentemente citada como a ciêr.cia de 'adaptar o ambiente ao homem'."

16 - PHEASANT, stephen. Bodyspace: anthropometry, ergonomics and design. London. Taylor & Francis, 1986.
"Se você procurar a palavra 'ergonomia' num dicionário, você deve encontrá-la definida como 'o estudo científico dos seres humanos em relação aos seus ambientes de trabalho'. Esta definição tradicional serve muito bem desde que se considerem seus elementos num sentido suficientemente amplo. O conceito de trabalho deve incluir um limite amplo de comportamento humano - não somente nas tarefas desempenhadas no contexto ocupacional, mas também atividades domésticas e de lazer. Similarmente, nosso estudo do ambiente de trabalho deve compreender não somente o ambiente físico e os objetoa dentro dele (tais como máquinas, mobiliário, ferramentas, etc) mas também fatores psicológicos como a carga mental de trabalho, o fluxo de informações e interações sociais com outros seres humanos. Uma consideração das múltiplas trocas entre o homem e o ambiente nos leva a pensar em termos de sistemas homem-máquina ou, nina escala mais ampla em sistemas sácio-técnicos (...).
A razão mais óbvia para estudar as relações entre seres humanos e artefatos e ambientes que eles usam (além da simples curiosidade) é a intenção de mudar as coisas para melhor - seja para incrementar o desempenho, produtividade, satide ou segurança do usuário, ou simplesmente para tornar a experiência do usuário mais prazeirosa e satisfatória. Deve-se observar isto por razões altruísticas, ou mais provavelmente porque isto é certo comercialmente. No contexto ocupacional, podemos escolher chamar isto 'adaptar o trabalho ao homem* e talvez comparar isso com 'adaptar o homem ao trabalho' (pela seleção, treinamento, orientação vocacional, etc). Os dois enfoques são vistos comumente como mutuamente interdependentes.
A maioria dos ergonomistas hoje em dia se coloca como tecnólogos ou engenheiros em vez de cientistas. Para colocar a distinção claramente, o cientista estuda coisas ou analisa-as, um engenheiro faz coisas ou determina que elas sejam feitas e o tecnólogo é alguma coisa de ambos. Na verdade, uma disciplina indistingüível da ergonomia desenvolveu-se nos Estados Unidos sob o nome de 'Human Factors Engineering', 'Human Engineering' ou 'Human Factors'. (...)
Inerente ao processo de 'mudar as coisas para melhor' é o conceito de projeto - seja o projeto de um objeto físico, um método de trabalho, um ambiente ou um sistema. Assim para os nossos propósitos presentes propõe-se a seguinte definição:
Ergonomia é a aplicação de informações científicas sobre os seres humanos (e métodos científicos para obter tais informações) aos problemas de projeto."

17 - RËGNIER, Jacques. L'amélioration des Conditions de Travail dans l'industrie. Paris. Masson, 1980.
"A Ergonomia considera as características, capacidades e limitações anatómicas, fisiológicas, psicológicas do homem para a concepção e arranjo dos equipamentos (instalações, máquinas, mecanismos, utensílios, equipamentos de projeção individual, etc) , do ambiente de trabalho (ambiëncia sonora, luminosa, térmica, etc), do próprio trabalho (processos operacionais, carga de trabalho, ritmo de trabalho), a fim de reduzir og custos humanos do trabalho, visando manter ou aumentar a confiabilidade, a eficiência dos sistemas homem(ns)-máquina(s). As características, capacidades e limites anatómicos do homem se relacionam com suas dimensões corporais (antropometria) e seus dados biomecânicos (deslocamento das diversas partes do corpo, voluntários ou forçados). Aquelas considerações que são denominadas fisiológicas referem-se principalmente aos sistemas sensorial, nervoso, respiratório, cardio-vascular e motor. Aquelas considerações que são denominadas psicológicas se reportam às funçSes cognitivas e intelectuais -percepção, memória, tratamento da informação, resolução de problema, tomada de decisão, processos psico-motores - que se relacionam com a psicologia experimental, às quais é conveniente juntar as atitudes e modificações do trabalhador, aspectos que a Ergonomia não pode negligenciar ao nível das aplicações na empresa."

18 - SANDERS, Mark S.; McCormick, Ernest J. Human Factors Engineering and Design. New York, McGraw-Hill, 1987. 6th. ed.
"Os fatores humanos focalizam os seres humanos e suas interações com produtos, equipamentos, auxílios, procedimentos e ambientes usados no trabalho e na vida diária. A ênfase é no ser humano (em oposição a engenharia, onde a ênfase localiza-se mais nas considerações estritamente técnicas de engenharia) e como o projetci das coisas influencia as pessoas. Fatores humanos, então, busca   j mudar as coisas que as pessoas usam e os ambientes nos quais elas usam essas coisas para adequá-las melhor as capacidades, limitaçõej e necessidades das pessoas.
Os fatores humanos têm dois objetivos principais. O primeiro é incrementar a efetividade e eficiência com as quais o trabalho e outras atividades são conduzidos. Incluem-se aqui coisas como a compatibilização no uso, a redução de erros e o aumento da produtividade. O segundo objetivo é incrementar certos valores humanos desejáveis, como aumento da segurança, redução da fadiga e dós stress, aumento do conforto, aceitação do usuário, satisfação no trabalho e melhoria da qualidade de vida. Pode parecer demais alcançar todos esses objetivos, mas como Chapanis assinala duas coisas nos ajudam. Primeiro somente um subconjunto dos objetivos 4 geralmente de maior importância numa aplicação específica. Segundo os objetivos são usualmente correlacionados. Por exemplo, uma máquina ou produto que resulta da tecnologia dos fatores humanos não é somente mais segura, mas é também mais fácil de usar, e conseqüentemente provoca menos fadiga e satisfaz mais ao usuário.
O enfoque dos fatores humanos é a aplicação sistemática de informações relevantes sobre as capacidades, limitações, características, comportamento e motivação humanos, ao projeto de coisas e procedimentos de uso e aos ambientes nos quais as pessoas os usam. Isto envolve investigações científicas para descobrir informações relevantes sobre o homem e suas reações as coisas, ambientes, etc. Essas informações servem de base pára as recomendações projetuais e para predizer os prováveis efeitos das várias alternativas de projeto. O enfoque dos fatores humanos também envolve a avaliação das coisas que projetamos para assegurar se elas satisfazem os objetivos pretendidos. Embora não exista uma frase que possa caracterizar adequadamente o escopo do campo dos fatores humanos, expressões como projetar para o usuário humano e otimizar condições de trabalho e de vida dão uma impressão parcial do que os fatores humanos tratam. Para aqueles que desejam uma definição concisa dos fatores humanos que combine os elementos essenciais de foco, objetivos e enfoque que acabamos de expor, apresentamos a seguinte definição de Chapanis (1985), ligeiramente modificada: fatores humanos descobre e aplica informações sobre comportamento, habilidades, limitações e outras características humanas ao projeto de ferramentas, máquinas, sistemas, tarefas, trabalhos e ambientes para uso humano produtivo, seguro, confortável e efetivo."

19 - SPERANDIO, Jean-Claude. L'ergonomie du travail mental. Paris, Masson, 1983.
"A ergonomia é uma disciplina científica um pouco particular. Ela se constitua de várias disciplinas, mas exatamente por partes de disciplinas, que contribuem para o conhecimento científico do homem no trabalho, sob os diversos aspectos fisiológicos, psicológicos, sociológicos e médicos do trabalho humano. Este conhecimento científico visa um objetivo prático que condiciona e justifica a própria existência da ergonomia: a adaptação do trabalho ao homem. Não é suficiente estudar o trabalho humano para que o estudo possa ser qualificado de "ergonómico". Ë preciso que o objetivo do estudo seja explicitamente a adaptação do trabalho às diversas características dos homens em questão, quer dizer, o arranjo concreto dos utensílios, dos postos de trabalho e dos sistemas homens-máquinas, do ambiente e da organização do trabalho, do mesmo modo que de todos os recursos técnicos utilizados. Por esta razão, a ergonomia é tema para engenheiros e tecnólogos, do mesmo modo que para os pesquisadores científicos; ela coloca diretamente o conteúdo e as condições de trabalho de todos os trabalhadores, qualquer que seja o trabalho, prioritariamente físico ou intelectual.
Os critérios desta adaptação são importantes de considerar. Ë escusado dizer que a ética da ergonomia exige que ao final as condições de trabalho, ou por extensão, a atividade considerada pela intervenção ergonómica sejam melhoradas e não pioradas. Mas pode-se melhorar segundo critérios diferentes: aumento de desempenho, em termos de rendimento ou eficácia, eliminação da carga de trabalho, diminuição ou supressão dos constrangimentos, aumento da segurança, aumento do interesse intrínseco da tarefa, aumento da satisfação, etc. Não existe um critério ergonómico privilegiado. Em geral, há uma pluralidade de critérios que são frequentemente concorrentes. Não há em geral razão científica para hierarquizar os critérios a considerar: sob este aspecto, a busca participativa se impõe. Conseqüentemente, apesar da ergonomia se desenvolver mais e mais como uma ciência significativa pode-se dizer que as intervenções ergonómicas em campo podem ser muito diferentes uma das outras porque segundo as situações, em função dos problemas encontrados, em função dos critérios determinados, os aspectos do trabalho considerados pêlos ergonomistas são muito diversos, como são igualmente diversas as especialidades científicas diretamente implicadas. Com efeito, a pluridisciplinaridade não exclui de modo algum uma divisão necessária era especialidades, mesmo se, quando em campo, frequentemente as fronteiras se perpassem, as variáveis se interpenetrem e os problemas concretos se apresentem simultaneamente conforme várias especialidades, apesar dos recortes universitários tradicionais.
(...) Em resumo, objetivar uma melhor adaptação do trabalho ao homem, é considerar tanto quanto possível todos os aspectos do trabalho, fisiológicos, psicológicos, incluindo os fatoreg sociais; os fatores objetivos e os fatores subjetivos. Os critérios de otimização serão a satisfação dos operadores, seu conforto, sua saúde, mas também a eficácia de seus comandos operatórios. Este Ultimo critério ganha maior importância nas tarefas onde se requer um alto nível de fiabilidade humana."

20 - TICHAUER, E.R. The Biomechanical Basis of Ergonomics. New York, John Wiley, 1978.
"É uma disciplina que pretende ajudar os membros individuais da força-de-trabalho a produzirem a níveis economicamentes aceitáveis para o empregador, enquanto, ao mesmo tempo, desfrutam de um alto padrão de bem-estar fisiológico e emocional."

21 - WISNER, Alain. Por Dentro do Trabalho; Ergonomia: Método e Técnica. São Paulo, FTD/Oboré, 1987.
"É o conjunto de conhecimentos científicos relativos ao homem e necessários para a concepção de ferramentas, máquinas e dispositivos que possam ser utilizados com o máximo de conforto, segurança e eficácia. A prática ergonomica é uma arte (como se diz da arte médica e da arte do engenheiro) que utiliza técnicas e se baseia em conhecimentos científicos. Essa prática é caracterizada por uma Metodologia (...)
A ergonomia se baseia essencialmente em conhecimentos no campo das ciências do homem, antropometria, fisiologia, psicologia, uma pequena parte da sociologia, mas constitue uma parte da arte do engenheiro, à medida que seu resultado se traduz no dispositivo técnico. Por outro lado seu resultado é avaliado principalmente por critérios que pertencem as ciècias do homem (saúde, sociologia, economia).
A ergonomia constitue uma parte importante, mas não exclusiva, da melhoria das condições de trabalho em seu sentido restrito. Além de considerações técnicas e ergonómicas, é preciso considerar os dados sociológicos e psicossociológicos que se traduzem no conteúdo e na organização geral da atividade de trabalho (divisão do trabalho, divisão das tarefas, etc).
A ergonomia não se limita ao trabalho, quer o consideremos em seu sentido restrito, de trabalho produtivo e assalariado, quer no seu sentido mais amplo de atividade obrigatória. A ergonomia é útil na concepção de brinquedos, de esportes ou do vestuário."

22 - WOODSON, Wesley; CONOVER, Donald W. Human engineering guide for equipment designers. Berkeley, University of Califórnia Press, 1966.
"Não é considerada como uma ciência exata, e sim como uma filosofia ou uma maneira de enfocar os problemas de projeto e de construção das coisas que se espera que as pessoas usem - de modo que o usário seja mais eficiente e menos sujeito a cometer erros ao usar estes artigos. Mas ainda: é um esforço para fazer com que estes artigos sejam mais convenientes, mais confortáveis, menos perturbadores e, finalmente, menos exasperantes ou menos fatigantes para o usuário. "

23 - ZÏNCHENKO, v.; MUNÍPOV, v. Fundamentos de Ergonomia. Moscú, Editorial Progreso, 1985.
"A ergonomia é uma disciplina científica que estuda integralmente o homem (ou o grupo de homens) nas condições concretas de sua atividade relacionada com o emprego das máquinas (meios técnicos). O homem, a máquina e o meio ambiente são vistos na ergonomia como um todo complexo e funcional no qual o papel principal corresponde ao homem. A ergonomia é uma disciplina científica e de projeto, posto que sua tarefa é elaborar os métodos para considerar os fatores humanos ao modernizar a técnica e a tecnologia existentes e criar outras nbvas, assim como ao organizar as condições de trabalho (atividade) correspondentes".


 
Top