Já saber viralizar no Facebook?

Já saber viralizar no Facebook?
Seja Magnético


90% dos casos derivam da hérnia de disco

shutterstock_187128518.jpg
Muitas vezes confundida com doença, a dor no nervo ciático é, na verdade, um sintoma derivado de outros problemas. Em aproximadamente 90% das vezes, as dores são causadas pela hérnia de disco, pela ruptura ou deslocamento dos discos. Os outros 10% podem ser causados por espasmos ou fadiga de músculos da região do glúteo. "Esses problemas são criados pela repetição de atividades físicas pesadas e posturas incorretas", explica a fisioterapeuta especialista em coluna vertebral Silvia Canevari Barros.

Localizado entre a região lombar e a parte mais baixa das pernas, passando pelas nádegas, o nervo ciático é o mais longo do corpo humano. "Ele é responsável pela sensibilidade, mobilidade e articulações dos membros inferiores" esclarece a especialista.

Quando há uma inflamação ou compressão nesse nervo, pode ocorrer a dor ciática. Quem sofre com ela geralmente reclama de fisgadas, queimação e formigamento na região afetada. "Em alguns casos, a dor é tão forte que a sensibilidade da perna diminui ou a pessoa não consegue se mexer", alerta a fisioterapeuta.

Na maioria dos casos, há um aumento gradual da dor, que pode piorar depois de ficar em pé ou sentado por muito tempo, durante a noite, ao espirrar, tossir ou rir ou ao se dobrar para trás ou andar por muito tempo. "A dor ocorre mais frequentemente de um só lado, mas pode aparecer nas duas pernas." O exame clínico feito por um fisioterapeuta especializado é fundamental para identificar a causa da dor ciática. Existem exames específicos que determinam as causas suspeitas. "Eles podem mostrar reflexos anormais ou ausentes, ou fraqueza ao dobrar o joelho ou ao movimentar os pés”, explica Silvia.

Como a dor ciática é um sintoma de outra doença, o tratamento deve ser direcionado à causa identificada. "Muitos médicos receitam anti-inflamatórios, analgésicos ou injeções, mas isso pode mascarar o problema e o paciente possivelmente terá novas recorrências da dor", previne.

Segundo a fisioterapeuta Silvia Canevari Barros, proprietária do ITC Vertebral – Unidade Jundiaí e Membro da Associação Brasileira de Reabilitação da Coluna, com os avanços da área da Reconstrução Músculo Articular (RMA), o tratamento deve ser direcionado com o objetivo de descomprimir este nervo, através de tratamento fisioterápico não convencional que utiliza aparelhos modernos de tração eletrônica e descompressão dinâmica, além das principais técnicas de Terapia Manual. Em conjunto são realizados exercícios terapêuticos de estabilização estática e dinâmica, afim de evitar novos episódios.  Nosso foco é reabilitar o corpo como um todo e apenas 10% dos casos são cirúrgicos.”

Após o tratamento o paciente é motivado a continuar a prática de atividade física com orientação.Conheça melhor o Instituto referência em tratamento dos males da coluna vertebral no Brasil pelo site www.itcvertebral.com.br.

Sobre a Fisioterapeuta
Dra. Silvia Canevari Barros é Fisioterapeuta Responsável pela Unidade ITC Vertebral Jundiaí, pós-graduada em Terapia Manual e Postural pelo Instituto Salgado Saúde Integral e especialista em RPG pelo Método Souchard. Além disso, é membro da  Associação Brasileira de Reabilitação da Coluna e Diretora do Instituto Pilates - Unidade Jundiaí. Mais informações em www.corpoecoluna.com.br
CONTATO IMPRENSA
V&V Ideias – www.vevideias.com
Jornalista responsável: Vanessa Peres


 
Top