Já saber viralizar no Facebook?

Já saber viralizar no Facebook?
Seja Magnético

Alguns saberes antigos, rapidamente catalogados como mitos pela ciência moderna, aos poucos vão sendo incorporados ao "saber oficial".

Há poucos dias, pesquisadores que se dispuseram a estudar o assunto com boa vontade reconheceram que nosso sono de fato segue os ciclos lunares.

Agora foi a vez de reconhecer uma conexão entre a saúde dos recém-nascidos e a estação do ano em que eles vêm à luz.

Janet Currie e Hannes Schwandt, da Universidade de Princeton (EUA), constataram que a saúde dos recém-nascidos acompanha um ciclo seguindo as estações do ano.

O estudo se concentrou no aspecto estatístico, motivo pelo qual ele não oferece explicações sobre como ou porque as estações afetam a saúde das crianças, mas serviu para eliminar explicações fáceis, como a de que bebês nascidos no inverno seriam menos saudáveis porque estariam mais sujeitos a resfriados.

Segundo os dois pesquisadores, a associação que surge na análise dos dados é uma "relação quase mística".

Gravidez e estações do ano

Já em 1930, estudos davam conta de que as crianças nascidas no inverno eram mais propensas a problemas de saúde mais tarde na vida, incluindo um crescimento mais lento, incidência de doenças mentais, e até mesmo a morte precoce.

Entre as explicações propostas estavam doenças, temperaturas extremas e níveis de poluição mais elevados associados com o inverno, quando as mães grávidas e os bebês, sobretudo os prematuros, estariam mais vulneráveis.

Mas, olhando para dados demográficos mais gerais, o quadro verificado agora ficou bem mais complicado.

As mães que não são brancas, são solteiras, ou não têm educação universitária são mais propensas a ter filhos com problemas de saúde e de desenvolvimento. Elas também são mais propensas a conceber no primeiro semestre do ano.

Isso torna difícil separar os efeitos socioeconômicos dos efeitos sazonais, ou seja, das estações do ano.

Currie e Schwandt, então, adotaram uma abordagem diferente para enfrentar a questão: eles analisaram apenas irmãos. Como nascem da mesma mãe, isso elimina o fator socioeconômico e permite a comparação dos nascimentos entre as estações.

Mês das noivas, não dos bebês

No estudo, feito no hemisfério norte, Maio é a época menos favorável para engravidar, concluíram os pesquisadores.

Os bebês concebidos em Maio (e, portanto, que nascem no meio do inverno) têm uma chance 13% maior de nascerem prematuros, têm peso abaixo da média e seu tempo de gestação é de quase uma semana abaixo da média.

Como o baixo peso ao nascer e a prematuridade têm sido associados a diversos problemas de saúde - sistema imunológico mais fraco, visão e audição piores e desenvolvimento cognitivo mais lento -, essa variação pode ajudar a explicar as diferenças na vida adulta, afirmam os pesquisadores.

Como o estudo foi feito para o hemisfério norte, é de presumir que os resultados devam ser invertidos para o Brasil, onde as estações são opostas.

Mas esta é apenas uma suposição, e considera que os efeitos registrados devem-se à temperatura, umidade e outras condições climáticas. Se o efeito é realmente invertido, somente uma análise similar no hemisfério sul poderá revelar.

Como Maio está no meio da primavera no hemisfério norte, se a inversão for verdadeira, as conclusões valeriam para concepções no mês Novembro no hemisfério sul, com os bebês nascendo no meio do inverno.


  
 
Top