Já saber viralizar no Facebook?

Já saber viralizar no Facebook?
Seja Magnético

Olá Dr'e Dra's


Hoje o tema é bem diversificado, e poucas pessoas sabem dessa área de atuação da Fisioterapia. Trata-se da Fisioterapia durante o ato do parto...Isso mesmo, DURANTE o parto. Pois bem, então qual a verdade função do (a) Fisioterapeuta neste momento único na vida da mulher?

O Fisioterapeuta precisa estar apto a esse tipo de procedimento pois abrange uma área de atuação específica de grande expansão atualmente, que visa proporcionar à gestante melhores condições e qualidade durante todas as fases do trabalho de parto. Isto é possível através da utilização de intervenções obstétricas adequadas , com objetivos de diminuir os desconfortos músculo- esqueléticos, preparando a mulher para o nascimento do bebê, bem como a aprendizagem de técnicas respiratórias que irão auxiliá-las.
Torna-se de grande valia e importância estabelecer um tratamento Fisioterapêutico pré parto, onde esclarecimento deverão ser feitos ao paciente pelo Fisioterapeuta, e exercícios para que se prepare a musculatura e a parte pulmonar, consequentemente diminuindo a ansiedade da paciente.
Estudos realizados vem a contribuir para esta prática. Exemplo:
Estudo realado por ANTUNES, 2008 através de uma revisão literária que terá como fontes de pesquisa livros, artigos científicos de revistas indexadas e bases de dados Lilacs, Bireme com data de publicação de 2002 a 2007. Os resultados encontrados demonstram a importância da atuação da fisioterapia aplicada ao trabalho de parto, bem como os benefícios gerados através da utilização de seus recursos analgésicos não farmacológicos. É relevante a utilização dos recursos fisioterapêuticos durante o trabalho de parto, pois os mesmos proporcionam maior conforto e alívio da dor à gestante durante o parto.
Fonte: Antunes et al; 2008 Intervenção Fisioterapêutica durante o trabalho de parto

Abaixo listei algumas etapas propostas pelo site Mulher Saudável:

PRIMEIRA FASE DO TRABALHO DE PARTO 

Essa fase é caracterizada pelas contrações uterinas, e se a gestante não necessitar de repouso, o ideal é que ela adote posturas em que se sinta confortável. Em pé e deitada sobre o lado esquerdo são as posturas mais indicadas, já que facilitam a descida do bebê. A gestante pode caminhar pelo corredor da maternidade, e quando as contrações chegarem, o ideal é sentar ou apoiar-se numa parede inclinando o tronco para frente e afastando as pernas, a fim de relaxar a região dorsal. O fisioterapeuta pode realizar massagem nessa região, o que tratá alívio da dor. 

Não se recomenda a posição deitada por muito tempo nessa fase, porque dificulta o retorno venoso e não facilita as contrações uterinas. O ideal é realmente alternar os posicionamentos, dando preferência aos citados anteriormente.

SEGUNDA FASE DO TRABALHO DE PARTO


No final do trabalho de parto as contrações atingem frequência maior, aumentam a intensidade e a duração. A cabeça do bebê já está baixa e chega o período expulsivo. Quando a gestante consegue participar desse momento, o período expulsivo pode ser facilitado. A posição ideal para essa fase é deitada com o dorso elevado e as pernas flexionadas e afastadas. Essa abertura facilitará a saída do bebê. 

Normalmente a respiração ajuda nesse período. A paciente não deve fazer apnéia (bloqueio respiratório), porque isso pode favorecer lesões das fibras do assoalho pélvico. O ideal são respirações lentas e profundas. 
 

Mesmo que a cesárea seja necessária, o trabalho fisioterapêutico no pré-natal e durante o trabalho de parto auxiliam a gestante a enfrentar essa fase com mais segurança, e mais, auxiliam-na numa recuperação mais rápida.
Fonte: Mulher Saudável

Agradeço a atenção

Fabricio Lopes Conduta

Fisioterapeuta
www.drfabriciolopes.webnode.com.br
 
Top