Já saber viralizar no Facebook?

Já saber viralizar no Facebook?
Seja Magnético


Entenda como é possível prevenir a intoxicação comendo em casa ou na rua
 
Se a gente realmente é o que a gente come, muita atenção é necessária com que se ingere, afinal, alimentos contaminados podem causar intoxicação. E, ao que parece, o problema é frequente. Estimativas do Centro de Controle de Doenças, em Atlanta, nos Estados Unidos, sugerem que a cada ano, cerca de um em cada seis residentes daquele país (48 milhões de pessoas) sofrem intoxicação alimentar, com 128.000 internações e 3.000 mortes por intoxicação alimentar.

É importante lembrar que até a marmita feita pela mãe, em casa, se não conservada em temperatura adequada, pode causar problemas. A ordem do dia é, portanto, bom senso e higiene

Alimentos inadequadamente higienizados, manipulados ou armazenados podem ser fonte de infecção por bactérias, suas toxinas, vírus e parasitas. E, se você está com pressa, esta talvez seja a principal informação: higiene alimentar é fundamental em todos os processos da cadeia.

Os sintomas podem acontecer de algumas horas até alguns dias ou mesmo semanas após a ingestão do alimento contaminado. Diarreia, náuseas, vômitos, dor abdominal e febre são os sintomas mais comuns. Em alguns casos, a depender do agente, pode haver sintomas neurológicos, como no botulismo. Nos casos graves, o paciente pode cursar com insuficiência respiratória ou renal, a depender do agente envolvido.

Nem sempre é simples estabelecer relação causal entre os sintomas e os alimentos ingeridos. Outras doenças podem causar os mesmos sintomas e, além disso, nem sempre é possível identificar qual o alimento envolvido na intoxicação.

A lista de agentes "culpáveis" é extensa e não é objetivo deste artigo fazer ninguém olhar para seu prato predileto pensando em nomes como Staphylococcus aureus, Escherichia coli, Bacillus cereus, Salmonella, hepatite A, Listeria monocytogentes,Campylobacter, Diphyllobothrium - a lista é grande e os agentes diminutos!

Um estudo realizado na Universidade Estadual Paulista (UNESP - Botucatu-SP) analisou a presença de agentes microbiológicos em amostras da carne, vinagrete e pão do churrasco grego de lanchonetes do centro de São Paulo. Este estudo detectou presença de bactérias patogênicas em níveis acima dos recomendados pela legislação. O estudo sugere que as condições de conservação destes alimentos é inadequada, pois não é possível, da forma como são expostos, mantê-los sob refrigeração adequada. 

Fonte: Minha Vida
 
Top